Quando se pretende causar uma boa impressão, normalmente o processo é muito simples. Somos simpáticos, cordiais, respondemos no tom adequado, cumprimos o nosso papel. E em sociedade, acostumamo-nos também a ser alguém que se preocupa, que se conecta com os problemas reais. Mas se queremos fazer a diferença, então esse primeiro caminho será sempre o mais curto para a mudança. Porque não consegue alcançar o número de almas que gostaríamos e porque, na realidade, esse esforço não garante aquilo que realmente precisamos. Daí que quando queremos fazer notar a nossa atitude generosa e aquilo que mais nos cumpre o desejo solidário, devemos conhecer os movimentos que se unem em toda a sua extensão, com um verdadeiro envolvimento comunitário. A ReFood é uma das mais felizes iniciativas que descobri.  Fundada pelo idealista Hunter, parte da premissa de se recolherem diariamente e em boas condições, alimentos, de restaurantes, hipermercados e cidadãos comuns, para depois serem entregues às famílias mais carenciadas. Este gesto, que à partida nos parece tão simples, está a transformar completamente a maneira como encaramos o aproveitamento de produtos e a revelar que é possível desenvolver a sustentabilidade alimentar e contribuir assim, para colmatar as necessidades primárias. Esta organização propaga-se já por vários centros ReFood pelo País. E, só no carinhoso espaço da Estrela (Lisboa) a ajuda chega a mais de 200 pessoas, por dia, a partir dos braços e a entrega de 400 voluntários. Que todos os dias se disponibilizam, para preparar estas refeições (sopa, prato principal, doce e fruta), com a doçura extra de alterarem o menu diariamente. A dignidade na solidariedade. A ajuda com compromisso. A mobilidade crescente do voluntariado. A luta contra aquilo que mais trágico pode acontecer numa família. E esta organização, que nasce de uma profunda bondade e uma vontade permanente de tornar o outro Mais Feliz. Aceitam-se sempre bons corações!! Também quer ajudar?

Ana Rita Clara

REFOOD. UMA ALTERNATIVA. O CAMINHO.