Viagens | ANA272 em Coral Gables, Miami

Viagens | ANA272 em Coral Gables, Miami

Look
Saia em pele | La Redoute
Camisa com laço | La Redoute
Stiletos | Zilian

Entrar neste Hotel é como entrarmos numa viagem no tempo, num filme de época, que nos leva a esquecer tudo o que fica para trás. Apetece mesmo desligarmo-nos daquilo que conhecemos, para entrarmos neste verdadeiro Hotel História.

Imaginem um cenário de sonho, com gosto requintado, frescos pintados à mão no tecto, chão de mármore travertino brilhante, as colunas de mármore, móveis de mogno esculpido e jardins estonteantes. 

Embora o Biltmore em Coral Gables se pareça com a melhor da arquitetura clássica mediterrânea, não é nem um palácio italiano, nem um castelo ibérico. 

Em vez disso, é o centro da visão de Coral Gables, de George Merrick, de um subúrbio imponente e elegante, que foi nomeado “The City Beautiful”.

Combinando a sua profunda afeição pelas paisagens exuberantes do Sul da Flórida, com influências das arquiteturas italianas, árabes e espanholas, Merrick concretrizou o seu sonho com a construção de sua obra-prima. O Hotel Biltmore

E sentimos tudo isso ao circularmos por este grandioso edifício.

E a sua História dá-nos uma ideia da força dessa passagem do tempo, do lugar das pessoas e as histórias no Biltmore.

Biltmore a sua História apaixonante:

Em 1924, o jovem construtor Merrick e o magnata John McEntee Bowman do hotel Biltmore para construir, na época do desenvolvimento imobiliário da Flórida, “um excelente hotel… que não só serviria para hospedar aqueles que fossem a Coral Gables, mas também como um centro de esportes e moda”. Bowman contratou o renomado arquiteto, Leonard Schultze, e S.Fullerton Weaver, um empreiteiro e construtor. A equipe já havia feitos projetos para os hotéis Biltmore de Atlanta e Los Angeles, o terminal da estação central de Nova York, o Nautilus Hotel de Miami Beach (que depois tornou-se as primeiras instalações do Mt. Sinai Medical Center) e a famosa Miami Daily News Tower (conhecida como Freedom Tower).

Em 25 de novembro de 1924, 200 dos líderes cívicos e empresários e a imprensa, comemoraram essa nova parceria com um jantar de comemoração. Bowman anunciou que o projeto de 10 milhões de dólares teria um hotel com 400 quartos, um country club, um edifício de serviços, um campo de golfe para campeonatos, campos de polo, quadras de tênis e uma piscina enorme com 2137 metros quadrados. O campo de golfe com 18 buracos, projetado pelo premiado arquiteto de campos de golfe, Donald Ross, começou a funcionar em 1925. Finalmente, em 14 de janeiro de 1926, a cerimônia de inauguração do hotel Biltmore foi esplendorosa e foi considerada o evento social do ano na cidade.

Pessoas da alta sociedade do norte do país chegaram em trens onde estava escrito: “Especiais do Biltmore de Miami”. Enquanto o champanhe fluía e os convidados dançavam ao som de três orquestras, uma delas liderada pelo famoso Paul Whiteman, a Giralda Tower do Biltmore foi iluminada pela primeira vez e pode ser vista a quilômetros de distancia Uma multidão de 1500 convidados participou do jantar dançante de inauguração. Um marco na história do Sul da Flórida havia começado.

1926-1942

O Biltmore foi um dos resorts mais elegantes de todo o país. Em seu auge, hospedou a realeza europeia e muitos artistas de Hollywood. O duque e a duquesa de Windsor, Ginger Rogers, Judy Garland e Bing Crosby eram hóspedes frequentes do hotel. Na verdade, todos os famosos, de políticos como o presidente Franklin D. Roosevelt até notórios gangsteres como Al Capone, se hospedavam no Biltmore, onde assistiam desfiles de moda, bailes de gala, shows aquáticos nos 2.137 metros quadrados de piscina, casamentos elegantíssimos e torneios de golfe de classe mundial.

Com a Era do Jazz , as grandes bandas do Biltmore divertiam os ricos viajantes que iam a esse resort da riviera americana. Enfrentando os desafios das calmarias econômicas na América do Norte no final dos anos 20 e no início dos anos 30, o Biltmore prosperou com seus eventos de gala aquáticos que atraíam multidões e que fizeram com que o hotel continuasse sendo um centro das atenções.

1942-1968

Com o início da Segunda Guerra Mundial, o departamento de guerra converteu o Biltmore em um grande hospital, para o qual deram o nome de Army Air Forces Regional Hospital.

Para adaptar o prédio para seu novo uso, o exército fechou muitas janelas com concreto e cobriu os pisos de mármore travertino com camadas de linóleo fornecido pelo governo.

Além de ser as primeiras instalações da Escola de Medicina da University of Miami, o Biltmore, continuou sendo um hospital de administração de veteranos até 1968.

1983 – até aos nossos dias

Após intensa pressão dos oficiais e residentes da cidade de Coral Gables para adquirir o Biltmore, em 1973 a posse do hotel foi concedida para a cidade de Coral Gables através dos programas Historic Monument Act e Legacy of Parks. Mas a cidade continuou indecisa quanto ao futuro da estrutura e o Biltmore permaneceu desocupado por quase 10 anos. Finalmente em 1983, a cidade iniciou uma restauração total para que o Biltmore voltasse aos seus dias de glória. Cerca de quatro anos e 55 milhões de dólares depois, o Biltmore reabriu em 31 de dezembro de 1987 como um resort e hotel quatro estrelas. Mais de 600 hóspedes homenagearam o histórico Biltmore em um evento black-tie. A torre de mergulho de 25 metros foi transformada em uma cachoeira tropical e várias cabanas privativas foram construídas à beira da piscina. Os 600.000 galões da piscina de 2137 metros quadrados. foram esvaziados e a piscina foi completamente coberta de mármore polido. No evento de gala de abertura em 1926 no Miami Biltmore Country Club, o Dr. Frank Crane previu, “Muitas pessoas virão e irão embora, mas essa estrutura permanecerá essa beleza duradoura”.

E ao circularmos neste hotel edílico, ficamos presos à resiliência do próprio espaço, que convive com a evolução natural dos tempos. Somos encaminhados pelo simpático director do The Biltmore, Philipe Parodi, que nos vai preenchendo a curiosidade, com as explicações mais completas sobre aquilo podemos esperar da visita. E fico completamente rendida a esta grandeza. Sinto-me numa película cinematográfica, em que as Divas circulam nos terraços e joga golfe e ténis graciosamente. E de repnete, quando me contam que Al Capone também passou por este Hotel emblemático, sinto-me a evadir do grupo e a imaginar todo esse tempo.

Que espaço magnífico. Quase que queremos repetir a surpresa. E o estado grandioso estende-se pelos dias de hoje, sendo este o Hotel mais requisitado e procurado em Miami Beach. Quando o próprio presidente Barack Obama visita Miami Beach, é neste edifício que se sente em casa, ocupando a suite presidencial. Para além de outras altas figuras da esfera política mundial.

Queremos saber mais e continuamos a descobrir. Os sons ecoam por todos os espaços, amplos, que convidam a ficar. E partimos até ao renovado e harmonioso Spa. Sou recebida pela doce Adriana Cézar, brasileira totalmente rendida aos encantos de Miami Beach, tal como nós. Entramos nas salas e relaxamos de imediato. É quase instantâneo que o corpo pede estes mimos e aromas. Este conceito de saúde e bem estar terá até surpresas neste mês de Março de 2015, com completa dedicação à harmonia do espírito. Por isso, não estranhei quando a Adriana me falou dos tratamentos marcantes que tem neste espaço. Viajamos pelas massagens da Tailândia ou Suecas, pela talassoterapia, tratamentos personalizados, jornadas de óleos especiais, imersão em alga marinha orgânica. Para todos os gostos e necessidades. 

A própria filosofia do Spa faz-nos render a esta celebração da tranquilidade. Desligar-mos o botão do stress e do dia-a-dia. E se quiser, também se podem realizar massagens a dois, para que a experiência seja ainda mais apetecível.

O convite é mesmo irresistível, até porque sentimos o aroma no ar, que não apetece deixar e encaramos as frutas e sabores saudáveis que preenchem as salas como a nossa própria casa.

E talvez seja mesmo essa a sensação que nos invade no The Biltmore. Essa sensação boa de conforto. De nos sentirmos bem e acolhidos. E o que dizer do Brunch e os paladares à mesa?

entro nas salas onde me deparo com tantas cores e paladares, que fico até confusa na escolha.

Ao centro, um músico toca ao piano. Procuro a Marilyn Monroe sem a conseguir encontrar…

Sinto-me de repente num filme fascinante, com as mais marcantes personagens. Descubro sabores, quero experimentar tudo. A lagosta, servida num lindo serviço, o sushi que nos chama, as carnes, o ceviche, as frutas e doces, a cascata de fondue de chocolate…irresistível.

Digam lá se não estamos no paraíso?! Não temos motivos para sairmos destes lindo hotel. Queremos ainda dar um mergulho neste belíssima piscina, passeara pelos jardins e viajar no tempo.

E sentirmo-nos em casa, tal como nos recebeu o Philipe, “Welcome to The Biltmore. Feel At Home.”. “Yes, Philipe, We Feel At Home.”

E se se estiverem a questionar sobre como ir para Miami, aqui vai: a TAP Portugal voa entre três e seis vezes (de Junho a Outubro) por semana para Miami com partidas de Lisboa. Para mais informações e reservas aconselho que vejam aqui.

Project Management | LUVIN – blog & digital PR
Fotografias | Rui Valido
Styling | Joyce Doret
Hair & Makeup | Raquel Peres

 

Agradecimentos

TAP Portugal
SWAROVSKI
LA REDOUTE
SAMSONITE