É isto que acontece quando Michelle Obama entrevista Meryl Streep

Como se já não fosse ocupada o suficiente a ser um modelo brilhante, feminista, e Primeira Dama, Michelle Obama encontrou tempo para editar um artigo para a revista More. Como parte do seu trabalho, interpretou o papel de jornalista, convidando Meryl Streep para uma conversa na Casa Branca. Uma ideia de génio, afinal quem não quereria ler o que duas das mulheres mais destemidas têm para dizer uma à outra?

Aqui ficam alguns excertos desta entrevista maravilhosa:

Meryl Streep sobre a sua mãe: A minha mãe entrava num quarto e iluminava-o ao ponto de as pessoas ficarem tristes quando ela saía. Aquilo, para mim, era o que realmente importava: quem tu tocas e como. Ela era a minha mentora porque dizia-me, ‘Meryl, tu és capaz. Tu podes ser quem quiseres.’ Ela não estava a dizer-me, ‘Tu és tão boa.’ Ela estava a dizer-me, ‘Tu podes fazer tudo aquilo em que te foques. Se fores preguiçosa, não vais conseguir os teus objetivos. Mas se te dedicares, podes fazer qualquer coisa.’ E eu acreditei nela. E ela disse-o na altura em que era pequena. E isso fez-me arrogante (risos).

Michelle sobre a sua posição em relação à educação: O grande obstáculo com que as raparigas se confrontam hoje em dia é educação, educação, educação. Existem muitas crianças que pensam que a Escola Secundária é um entrave à fama e à fortuna. Eu quero que cada menina no seu país pense que a educação é a coisa mais cool e importante que podem fazer nas suas vidas.

Meryl Streep sobre interpretar – e elevar – mulheres fortes: As pessoas dizem-me, ‘Interpretaste tantas mulheres fortes’ e eu respondo, ‘Alguma vez disseste a um homem: ‘Interpretaste tantos homens fortes?’ Não! Porque o que se espera é que os homens sejam variados. Porque não podemos esperar o mesmo em relação às mulheres?

Michelle Obama sobre mulheres apoiarem outras mulheres: Por vezes nós, como mulheres, somos críticas em relação às escolhas de cada uma. Devo ter uma carreira? E se quisesse ficar em casa e criar os meus filhos? E se não quisesse atingir o poder?… Somos todas diferentes com aspirações e objetivos diferentes.

Meryl Streep sobre puxar por si mesma: Sou muito mais propensa a não querer dizer nada em público. Quando tenho de ser o centro das atenções, penso para mim mesma, (a minha mãe) Mary (Streep) conseguia fazer isto. É uma coisa boa, imaginarmo-nos a fazer algo que pensávamos não conseguir. Faço isso todos os dias, porque basicamente, se fosse só do meu jeito, ficaria apenas por casa a pensar no que vou fazer para o jantar.

Michelle Obama sobre aconselhar as suas filhas: Eu tento lembrá-las que na verdade eu sei as respostas e que não quero que elas vão procurar os melhores conselhos a outras meninas de 14 anos. Eu nunca me sentei e lhes dei uma palestra sobre autoconfiança. Introduzo sutilmente essa conversa quando estou a falar com elas sobre amizade, ou sobre os desafios que têm de enfrentar num jogo, ou algo que o pai delas disse que as deixou chateadas. É aí que descubro que elas vão ouvir mais a mensagem.