Militares no feminino

E num momento em que as notícias de conflitos militares invadem a atualidade, também a mudança está presente em cenários de guerra. São cada vez mais as mulheres militares que combatem em exércitos, apresentando até uma maior capacidade de voltar ao seu estado natural, principalmente após alguma situação crítica e fora do comum.

Não devemos esquecer que os direitos de hoje foram conquistados depois de lutas que atravessaram décadas e venceram preconceitos. Nas últimas décadas, o espaço das mulheres nos exércitos de vários países tem sido cada vez maior, chegando a posições antes inatingíveis, inclusive zonas de conflito.

Desde 1980 que as mulheres têm desafiado o estereótipo de vulnerabilidade, seja como parte de forças armadas ou como ativistas.

“Qualquer forma de discriminação é perniciosa numa organização em que se realizam tarefas colectivas e que depende da integração de todos os indivíduos e unidades. Mesmo que essas atitudes tenham desempenhado no passado importantes funções nas forças armadas, elas são desnecessárias e minam a eficácia militar”

Kier

Em Portugal, inúmeras mulheres têm participado, ao longo dos anos, em diversas missões internacionais, de tal forma que, entre 2009-2012, o número situou-se nas 355, face a um efetivo de 4645, atingindo uma percentagem de 7,64%. E que bom é assistir a este crescimento e mudança!

Fotografias | Reuters