THE MAKERS | ISABEL COSTA

Continuamos o nosso caminho de construção de um ana272.com como espaço de partilha, inspiração e motivação. É por isso que fazemos crescer o espaço ‘THE MAKERS’ e hoje ouvimos Isabel Costa, detentora de uma experiência profissional inspiradora. Começou como manequim, passou para editora de moda, na Cosmopolitan e na LuxWOMAN, e hoje é buyer de senhora para a Fashion Clinic. É também fashion adviser, consultora de moda e styling e um exemplo de empreendedorismo feminino.

1. De advogada ou diplomata à moda… foi uma decisão difícil?

Não porque foram as circunstâncias da vida que me levaram nesse caminho. É claro que ajudou o facto da moda já ser um grande interesse. Lia e via revistas femininas desde pequena, dando especial atenção a quem estava por detrás das produções de moda. O meu interesse eram os fotógrafos, manequins, produtoras, cabelos e maquilhagem, como a história era construída. Passar pela carreira de manequim serviu para apurar o meu gosto, definir muito bem o meu estilo, (ao vestir milhares de peças dos outros, percebi melhor o meu!),e perceber que seria uma área onde gostaria de trabalhar.

2. Como é trabalhar no mundo da moda no nosso País?

É difícil. É um mundo tratado não como trabalho “sério”, ou como um negócio de valor que envolve criatividade, criação de riqueza e emprego, empreendedorismo, mas sim como um faits divers, uma coisa leve e, portanto, é sempre menosprezado. Não é como nalguns países em que a idade é uma mais-valia, a experiência que só vem com a idade, em Portugal não é considerada um beneficio.

3. O que é que a continua a motivar?

Adoro criar, desenvolver novas estratégias de comunicação, gosto de estar a par do que se passa no mundo, é isso que me inspira. Para mim a moda não é só uma questão do que ponho no meu corpo, mas sim tudo o que me rodeia,  como decoração, jardins, comida, arte, cinema e música. Também tento rodear-me de pessoas com mentes e caracteres inovadores.

4. De que forma é que o empreendedorismo e a sua profissão se ligam?

Ao fim de mais de 25 anos de carreira na moda, aprendi todos os básicos, toquei em todas as áreas  e portanto agora sinto que na segunda parte da minha vida, tenho outro tanto para criar e realizar os meus projectos pessoais.

5. Como encaram as mulheres portuguesas o sucesso profissional?

Só posso falar por mim, saboreio os meus sucessos pois foram devidos ao trabalho e tento partilhar o meu know how com outra mulheres.

6. Como encara a evolução do lugar da Mulher em posições de topo?

Um evolução natural, que depende das capacidades de cada uma, como hoje em dia também há pais que ficam em casa para criar os filhos do casal. Não tenho preconceitos contra isto, nem para um lado nem para o outro. Cresci com uma avó que era médica, divorciada e super independente!

7. Com que tipo de desafios se deparam as mulheres do nosso tempo?

A qualidade das vidas das mulheres ocidentais melhorou bastante nos últimos cem anos mas ao mesmo tempo ficou mais complicada porque temos muitas escolhas. O segredo é fazer as escolhas certas na altura perfeita. Isso nem sempre é possível, e para mim esse é dos maiores desafios.

8. Que novos caminhos devem agarrar as “empreendedoras” do momento?

Estar muito atenta às novas tendências de comunicação, social media e internet porque a rapidez com que as coisas mudam podem ser fulcrais no sucesso duma ideia ou duma empresa.

9. Mensagem para todas as mulheres que querem transformar as suas vidas.

Seguir o seu sonho, nunca abdicar dele, mas com os pés bem assentes na terra, ajudar e aprender com outras mulheres pois só assim é que conseguimos melhorar o mundo!