Para sempre, Prince

Amo Prince. E falo no presente porque o legado ficará para sempre. Partiu ontem um príncipe maior responsável por sucessos musicais incontornáveis como Purple Rain, Kiss, The Most Beautiful Girl in the World, entre tantos outros. Lembro-me de vê-lo no Meco, no Festival Super Bock Super Rock, em 2010 e do quão especial foi estar perante a sua presença. Um concerto que esgotou e desesperou o público que teve de enfrentar filas de várias horas.

Lembro-me também do carinho por Portugal e de, neste concerto, Ana Moura que, segundo o próprio, tinha uma “voz única” ter subido ao palco e Prince ter acompanhado a fadista  com a sua guitarra elétrica que deu um som mais funk ao fado “Vou Dar de Beber à Dor”.

Ontem ficámos mais pobres. Mais vazios. Tenho a sensação de que aos poucos o tempo está a levar os meus ícones, figuras amadas, génios e iluminados construtores de arte. Acompanharam-nos no nosso crescimento de crianças a jovens e adultos. Fiquei muito triste com a notícia mas sei que o céu se abriu para mais uma estrela, que se junta a David Bowie. Para sempre recordar. Prince. A estrela maior.