Sabem quem é o Nyan?

É o menino cuja vida está nas nossas mãos. Nas minhas e nas vossas aí em casa, que certamente, estão a ler isto.

Tem cancro. Uma palavra que já é suficientemente dolorosa em casos adultos e ainda se torna mais cruel quando falamos em crianças. A diferença é que o Nyan não está em Portugal. Está no Myanmar, ou Birmânia, um dos países mais pobres do mundo. O hospital mais próximo fica, imaginem, a 4 dias de distância e os pais, mesmo vendendo tudo, até a sua própria fonte de alimento, não têm dinheiro para pagar a viagem.

Como os pais do Nyan há outros milhares em Myanmar que vêem os filhos sofrer sem conseguir salvá-los. Haverá dor maior para um pai? E se fosse o nosso filho? Também eu vou ser mãe e não consigo ficar indiferente a esta situação. Sobretudo quando já existem projetos pioneiros, como o Projeto Amélia que merece toda a nossa consideração.

Em parceria com a Organização World Child Cancer, este projeto está a lutar para dar resposta a este problema e precisa de nós para conseguir atingir objetivos e levar nos pequenos aviões a esperança de que não mais vão existir 2700 crianças a morrer todos os anos no Myanmar sem assistência médica especializada.

Partilhem a iniciativa e deixem-se sensibilizar. Estamos a falar do futuro, das nossas crianças, e quem mais do que nós deve amá-las, protegê-las e procurar dar-lhes o melhor?

Até ao final deste mês são precisos €45.000 para que o apoio chegue a Myanmar e estas viagens de 4 dias passem a apenas 90 minutos, vejam só! A ajuda pode ser feita por transferência bancária ou por donativo (aqui). E com apenas €5 já é possível ajudar crianças a ter apoio médico e quimioterapia e sobreviver.

Conto convosco!