Uma violação à Humanidade

Uma violação à Humanidade

É realmente desolador começar o dia a ler notícias como estas que dão conta do terror que continua a pairar sobre a Síria. O cessar-fogo humanitário de 30 dias, proposto pelo Conselho de Segurança da ONU, e até reiterado pelo governo russo, no início da semana, foi rapidamente rasgado e a violência e o ódio voltaram sobrepor-se aos direitos humanos. No meio destes jogos políticos, são os civis, os inocentes, as famílias que continuam a ser vitimizados, sem nada poderem fazer para se defender. Este é um conflito que já dura há 7 anos, e já roubou a vida a mais de 340 mil pessoas, para além dos milhões de refugiados espalhados um pouco por todo o mundo. Não é tempo de encontrar culpados. Isso, infelizmente, todos somos peritos a fazer. É tempo de encontrar soluções. É tempo de pensar naqueles que nada fizeram para merecer este calvário. Está marcado para hoje, às 15h locais, no Palácio das Nações, em Genebra, um “debate urgente” sobre a situação síria, a pedido do Reino Unido. Resta-nos torcer para que o bom-senso e a compaixão imperem sobre aqueles que têm o poder de tomar decisões importantes. Recordo uma frase muito conhecida de Mahatma Gandhi a propósito deste assunto:

“Não há um caminho para a paz. A paz é o caminho.”