25 de abril. Superem-se, sempre!

25 de abril. Superem-se, sempre!

Um “jardim à beira-mar plantado”, chamou-lhe Tomás Ribeiro. Assim ficou, muitas vezes dito com desdém.
Foi neste jardim que, há 44 anos atrás, se conquistou o maior direito universal. Sem sangue, sem dor, sem sofrimento, fizemo-lo com cravos nas mãos. Em abril de 1974 chegou a liberdade pela mão dos que exigiram a revolução. A ideia é simples: agir em grupo, sem recurso à violência, pela implementação de direitos.
A história conhecemo-la bem… Estuda-se na escola e não só no nosso país.
O que deixo aqui hoje é diferente. É um conselho: não tenham medo de se revolucionarem. A força interior é maior que qualquer outra. A fé – em nós, no que acreditamos, nos que nos rodeiam -, é capaz de subir todos os muros. Acreditar que somos capazes, seja de que maneira for, de nos superarmos, de ultrapassarmos os limites que nos são impostos.

Acreditar, sempre.  🙂

E como o dia hoje é de celebração, partilho convosco as músicas que mais gosto de ouvir neste dia, que me inspiram:

Zeca Afonso, “Vejam bem”;

Paulo de Carvalho, “E depois do adeus”;

Sérgio Godinho, “Liberdade”;

Fernando Tordo, “Tourada”;

Adriano Correia de Oliveira, “Trova do Vento que Passa”