Indecisões no trabalho ou estagnação? Alguns conselhos…

Indecisões no trabalho ou estagnação? Alguns conselhos…

É normal que a qualquer altura surjam dúvidas, indecisões, ansiedades no que respeita ao trabalho e à carreira. Não há idade limite para que isto aconteça e é perfeitamente normal! Não existem regras, não existem normas. Existem pessoas que trabalham todos os dias e que têm vidas, pensamentos, vontades, sonhos. E isso tudo ligado pode resultar bem, como pode resultar menos bem. O importante é que saibam que dúvidas existirão sempre, com qualquer coisa, e que às vezes o truque é só ouvir/ler umas dicas para ganhar força 🙂 Porque, no fim, o resultado vai ser sempre bom se se seguir a vontade, a felicidade.

O que vos deixo aqui hoje são essas pequeninas coisas que vos podem deixar a pensar (se estiverem nesta situação) e que vos podem fazer ganhar um bocadinho mais de força para resolver algum assunto que encaixe aqui. 🙂

– Encontrar os melhores amigos conselheiros
Aquelas pessoas que são sempre imparciais e que nos chamam sempre à razão. As pessoas a quem vamos ligar quando precisamos de ajuda quando se trata de negociar contratos e salários. Pessoas que conheçam bem o mercado e que estejam habituadas a estes tipos de movimentos. Cada amigo tem o seu papel e com certeza que terão amigos que perceberão bem deste assunto. É a esses que temos que ligar quando estas dúvidas surgem, sem vergonha.

– Ter curiosidade, sempre!
Perguntar com frequência, investigar e explorar sempre mais. É importante não cair no apego e no conforto da rotina. Tentar encontrar novos caminhos, ver o que se passa lá fora, adaptar algo que não esteja a correr muito bem para ter melhores resultados.

– Aceitar todos os feedbacks
Receber e aceitar feedback sobre o nosso trabalho é super importante para o desenvolvimento. Porém, há que saber aceitar todos mas interiorizar só alguns. Há que saber filtrar e nem sempre o que vem de um superior é certo. Os colegas são sempre boa fonte. Pergunte a opinião de todos e trate todos da mesma forma, independentemente da sua posição. Todas as opiniões importam, até as dos que entraram há pouco tempo.

– Reconhecer o valor pessoal
Porque não ter um documento com tudo aquilo que se faz durante o dia? No final do mês, tem-se uma maior visão do impacto. É útil, por exemplo, quando se quer pedir um aumento: o documento serve de base para justificar o pedido. Não decoramos tudo o que fazemos ao longo dos dias e este documento pode ser muito útil. E nunca esquecer de que todos acrescentamos valor às empresas para as quais trabalhamos. Ter bem noção daquilo que somos bons a fazer!

– Aprender com os erros
Clichê mas muito importante. Não há mal nenhum em errar. Todos erramos e faz parte. Há que saber tirar o bom disso e isso sim, importa. Não importa cometer erros mas sim como se reage a eles.

– Não pensar demasiado
Às vezes não há caminhos 100% certos. Problematizar e pensar demais pode criar questões que não existem. Confiar nas capacidades e aceitar que se der errado, não há problema. Fazemos escolhas porque acreditamos que são certas… Mas podem não ser. E isso não invalida o nosso percurso e as nossas valências.

– Ser um livro aberto
Partilhar com colegas, desarmar quem vos rodeia, inspira a que haja uma maior conexão e permite controlar o modo como vos entendem, tanto como pessoa como profissional. Nunca ninguém vai saber o que está dentro da nossa cabeça, apenas o que apresentamos ao mundo. Abrir um bocadinho por quebrar muitas barreiras. Basta escolher as pessoas.

– Mais importante: Confiar nos instintos
Simples: Sabemos muito mais do que pensamos. Confie! Vai correr tudo bem e arriscar pode valer muito a pena 🙂